Cafh - Minha Declaração de Amor

Publicado el 05/09/2022
| 47 visualizaciones

É assim que eu nos vejo em Cafh.
Cada um com seus detalhes.
Perfeitamente individualizados,
Mas que se misturam.
Sem perder-se de si mesmos
Nós nos mesclamos.
num um único processo muito amoroso.
Por isso, na verdade, mais do que um clique de consciência.
Esta é uma declaração de amor! E de gratidão!
Pela amizade que alimentamos entre nós sem nenhum outro interesse, além de sermos amigos.
Pelo caminho amoroso que trilhamos juntos e por aqueles que o percorreram antes de nós e fizeram mais fácil o nosso próprio caminhar.
Uma oportunidade constante de refletir sobre minha vocação espiritual.
O primeiro impacto que tive ao escutar que preciso me preparar para minha missão,
Foi o de me perguntar:
O que eu fiz da minha vida?
O que estou fazendo da minha vida.
E eu me surpreendi com as respostas maravilhosas que fui capaz de me dar.
Eu me dei conta de que:
estou apoiado nas costas de muitos membros de Cafh que trabalharam muito em si.
Que ofereceram suas vidas para eu pudesse estar atento à possibilidades de Cafh.
Ou melhor, atento à vida.
Também percebi que me preparar para uma missão, implica uma atitude de vida.
É uma atitude de presença.
Um movimento que parte de mim, como uma disposição interior de participar,
de me reconhecer como sendo parte do todo.
Uma lembrança permanente, reversibilidade, de jamais negligenciar a mim,
A memória permanente da presença, da participação e da reversibilidade me leva
à experiência concreta da Renúncia.
Às vezes me parece que.
E quais seriam outros aspectos importantes de que me dei conta
Um deles é que eu preciso ocupar o meu lugar de ser liderado por um líder servidor,
com a consciência de que eu contribuo com minha vontade e liberdade para isto..
A este processo eu entrego a minha experiência, as minhas possibilidades,
E também os meus limites.
E que eu preciso me integrar, me unir.
Com todos os compostos que sei que tenho.
Por exemplo, eu sei o que eu sou feito de tantas coisas como as diferentes místicas, os diferentes conhecimentos, as diferentes culturas, as diferentes etnias.
Mas de fato, parece que o mal realmente é o composto que quer se separar do simples.
É como essa mistura de cores inicial
Parece-me que essa mistura de cores é o que realmente fazemos,
em nosso processo de desenvolvimento interior.
E ao me lembrar disso, eu me lembrei de mim mesmo.
Isso gera condições para que cada um de nós seja protagonista de seu próprio processo.
E isso me pede confiança! Isto me exige confiança
Preciso confiar que cada um de nós em suas numerosas e irrepetíveis possibilidades,
Somos capazes.
É uma atitude de fé, de confiança
Por tudo isso, eu agradeço.
Sou grato pela ajuda de me lembrar de mim.
De não reforçar as separações pelos rótulos.
De que eu preciso me abrir permanentemente para mudanças.
De que preciso dar outro lugar à liderança.
De que eu preciso me agregar a esse processo.
Só há espaço para gratidão em meu coração.